CRN-8 REALIZOU 827 AÇÕES DE FISCALIZAÇÃO EM 2023

CRN-8 realizou 827 ações de fiscalização em 2023

O Conselho Regional de Nutricionistas do Paraná (CRN-8) realizou um total de 827 fiscalizações em 69 municípios do estado em 2023 – o que resulta em uma média superior a duas ações fiscais por dia. Desse total, 70 foram resultados de denúncias recebidas pela entidade. “Toda denúncia recebida é rigorosamente apurada para que sejam tomadas as providências cabíveis”, destaca a coordenadora do Setor de Fiscalização do CRN-8, Julisse Klemtz Wagner.

De acordo com ela, as ações fiscais visam a busca contínua pela qualidade da assistência alimentar e nutricional prestada à sociedade.  “O exercício profissional qualificado e ético, direcionado à saúde da população, beneficia a sociedade, levando ao reconhecimento do trabalho do nutricionista”, ressalta Julisse.

A fiscalização do exercício profissional, conforme determina a Resolução 527/2013 do Conselho Federal de Nutricionistas (CFN), deve ser pautada por uma conduta orientadora, sem perder o caráter fiscalizador, com pessoal qualificado e aliada a instrumentos e técnicas que possibilitem a unificação das práticas utilizadas pelos Conselhos Regionais de Nutricionistas.

A Política Nacional de Fiscalização (PNF) do CFN tem o intuito de assegurar que a assistência alimentar e nutricional ao indivíduo e a coletividade seja prestada por profissionais habilitados. A fiscalização também visa buscar de forma permanente a qualidade dos serviços relacionados à alimentação e nutrição e orientar os profissionais para a melhoria contínua da qualidade dos serviços contribuindo para a segurança alimentar e nutricional dos indivíduos e da coletividade.

Verão 2024: Como a nutrição contribui para uma pele saudável

Verão 2024: Como a nutrição contribui para uma pele saudável

A pele é o maior órgão do corpo humano e tem como sua função principal proteger nosso corpo. É ela que impede o atrito, a perda de água e evita a entrada de microrganismos e da radiação ultravioleta. No verão, o cuidado deve ser ainda maior. A alimentação é um dos principais fatores que influenciam na saúde da pele. A nutricionista Graziela Beduschi, cadastrada junto ao Conselho Regional de Nutricionistas do Paraná (CRN-8), explica que uma dieta saudável pode ajudar na redução da acne, dermatites, pele oleosa ou seca, psoríase, queda de cabelos, fragilidade nas unhas e envelhecimento cutâneo das camadas profundas que geram rugas e alteração da pigmentação da pele.

Para reduzir esses fatores, a alimentação deve ser rica em fibras, vegetais crus, frutas, legumes e proteínas magras. “Além de possuírem importantes vitaminas e minerais que neutralizam radicais livres, esses alimentos contêm fibras que melhoram o funcionamento do intestino, evitando, assim, o excesso de oleosidade e o aparecimento das indesejáveis espinhas”, explica a nutricionista.

O consumo de água também é imprescindível para uma pele saudável. “Na transpiração, a água age como um regulador de temperatura corporal. Isso ocorre não apenas durante a prática de exercícios físicos, mas a qualquer momento. Sem uma quantidade de água suficiente no organismo, o sangue se torna mais denso prejudicando o transporte de nutrientes essenciais, como vitaminas e minerais, para as células”, explica Graziela.  

A nutricionista também explica que a água revitaliza as células e mucosas, evitando a descamação e o ressecamento da pele e ajudando a prevenir a flacidez e o aparecimento ou agravamento de estrias e celulite. “Isso porque, quanto mais água se bebe, melhor a textura e a elasticidade da pele, assim como menor a retenção hídrica. A água mantém a pele hidratada e ajuda a eliminar as toxinas do corpo. Urina clara é indicativo de boa hidratação. A única urina que pode ser amarela é a primeira do dia”, salienta.

Imagens: Divulgação/Freepik

Além disso, alguns alimentos devem ser evitados para que a pele se mantenha saudável, como o excesso de doces, gorduras saturadas, frituras, excesso de bebidas alcoólicas e cafeína, pois desidratam o corpo. “Produtos ultraprocessados apresentam grande concentração de açúcar, sal, gorduras, realçadores de sabor, corantes, aromatizantes, conservantes, dentre outros aditivos, e também podem causar danos à saúde da pele, cabelos e unhas”, ressalta.

A nutricionista elencou alguns nutrientes que ajudam na saúde da pele. Confira:

Vitamina A ou o seu precursor, o betacaroteno: um dos nutrientes de maior importância para a pele. Atua contra o envelhecimento, evita a descamação da epiderme e sua desidratação. Alimentos ricos em betacarotenos têm grande poder antioxidante, são metabolizados e convertidos em vitamina A, protegendo as células do corpo dos danos causados pelos radicais livres e assegurando uma adequada manutenção e reparação de células da pele. Os alimentos ricos em betacaroteno também contribuem para a produção de melanina, que é responsável por dar cor à pele. Para sentir o efeito do betacaroteno no bronzeado, é recomendado consumir esses alimentos duas a três vezes por dia, por pelo menos sete dias antes da primeira exposição solar. Fontes: alimentos vermelhos, alaranjados e verdes, como: cenoura, caqui, abóbora, acerola, manga, mamão, maracujá, espinafre, rúcula, brócolis, couve, etc.

Vitamina C ou, simplesmente, ácido ascórbico (AA): Na pele, ele é essencial para a formação das fibras colágenas existentes em praticamente todos os tecidos do corpo humano (derme, cartilagem e ossos). É um poderoso antioxidante colaborando para a prevenção do envelhecimento da pele e ainda auxilia na cicatrização da pele. Fontes: encontrada em grande concentração nas frutas cítricas (acerola, limão, morango, laranja, tangerina, abacaxi, goiaba, etc.).

Complexo B: favorecem uma melhora no aspecto da pele e dão integridade ao epitélio. Auxiliam na regulação das glândulas sebáceas, o que contribui para a diminuição da oleosidade da pele, tornando-a mais sedosa. Fontes: grãos integrais, leite e derivados, carnes magras, entre outros.

Zinco: ajuda a combater os radicais livres, auxiliando na renovação celular. Fontes: aves, peixes, frutos do mar, leite, etc.

Ômega 3: Auxilia no combate aos danos causados pela exposição ao sol, tornando-se grandes aliados a uma pele saudável e com boa aparência e bem hidratada. Fontes: salmão, atum, sardinha, truta, anchova, nozes, linhaça, etc.

Licopeno: é um poderoso antioxidante que tem propriedades naturais que protegem contra os raios UV. Uma dieta rica em licopeno ajuda sua pele a se proteger contra os raios nocivos do sol. Fontes: melancia, tomate, goiaba e mamão.

Resveratrol: outro poderoso antioxidante, recomendado para combater os radicais livres produzidos pelo metabolismo celular. Eles atuam diretamente sobre esses radicais, revertendo sua instabilidade e fazendo com que eles não danifiquem as demais células do organismo. Logo, auxiliam a retardar o envelhecimento precoce da pele e a proteger a pele contra os danos provocados pela radiação ultravioleta. Fontes: amendoim, morango, cacau, amora, framboesa, mirtilo, uva e suco de uva integral.

Vitamina E: conhecida por neutralizar os efeitos nocivos da exposição aos raios UV e proporciona uma proteção antioxidante. Estudos dizem que a vitamina E ajuda a reduzir os danos do sol, as rugas, melhora a textura da pele e reduz o aparecimento de manchas. Fontes: oleaginosas como: nozes, avelã, amendoim, amêndoas, pistache, castanha-do-Pará, semente de girassol e gergelim, abacate, etc.

Portaria do MEC suspende a abertura de cursos de Nutrição na modalidade EaD

Portaria do MEC suspende a abertura de cursos de Nutrição na modalidade EaD

CFN

O Ministério da Educação (MEC) publicou no Diário Oficial da União (D.O.U) a Portaria nº 2.041, de 29 de novembro de 2023, que trata da suspensão de processos de autorização de cursos superiores e de credenciamento de instituições de educação superior na Modalidade a Distância (EaD) alcançados pelo disposto nesta Portaria. Com a publicação no D.O.U, a portaria já está em vigor.

Também ficam suspensos os pedidos de credenciamento, na modalidade a distância, das Instituições de Ensino Superior (IES) que obtiverem conceito institucional para EaD inferior a quatro.

A portaria apresenta um prazo de 90 dias para fins de conclusão da elaboração de proposta de regulamentação de oferta de cursos de graduação na modalidade EaD. Essa disposição está prevista na Portaria MEC nº 1.838, de 14 de setembro de 2023.

Além da graduação em Nutrição, outros cursos na modalidade EaD também foram suspensos. São eles: Biomedicina, Ciências da Religião, Direito, Educação Física, Enfermagem, Farmácia, Fisioterapia, Fonoaudiologia, Geologia/Engenharia Geológica, Medicina, Oceanografia, Odontologia, Psicologia, Saúde Coletiva, Terapia Ocupacional e Licenciaturas em qualquer área.

REUNIÃO COM O MEC

O Conselho Federal de Nutricionistas (CFN) acompanha de perto o debate sobre o Ensino a Distância no país. No dia 24 de novembro, as conselheiras federais Liliana Bricarello e Lorena Chaves, coordenadoras da Comissão de Formação Profissional e da Comissão de Ética do CFN, respectivamente, participaram de uma reunião da Secretaria de Regulação e Supervisão da Educação Superior, convocada pela Diretoria de Política Regulatória do Ministério da Educação (Seres/DPR-MEC).

A reunião serviu para ouvir os Conselho Profissionais e outras entidades sobre a qualidade dos cursos de graduação na área de saúde em todo o país. A posição do CFN quanto ao tema é de que o ensino presencial em saúde é essencial para promover a excelência na formação profissional.

O PAPEL DA NUTRIÇÃO NO ATENDIMENTO A PESSOAS COM HIV

O papel da nutrição no atendimento a pessoas com HIV

O Dia Mundial de Luta contra a AIDS, celebrado em 1º de dezembro, representa uma oportunidade para apoiar as pessoas envolvidas na luta contra o HIV e melhorar a compreensão do vírus como um problema de saúde pública global. Em 2022, segundo a Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS), aproximadamente 130 mil pessoas adquiriram o vírus e 33 mil perderam a vida por causas relacionadas à AIDS.

No Brasil, mais de um milhão de pessoas vivem com HIV, segundo o Ministério da Saúde. Somente em 2022 houve o registro de mais de 16,7 mil casos da infecção.

Confira abaixo uma entrevista com a nutricionista e conselheira do Conselho Regional de Nutricionistas do Paraná (CRN-8), Gisele Pontaroli, sobre o papel que o nutricionista exerce na dieta das pessoas com HIV.

Como o nutricionista pode ajudar na dieta de uma pessoa com HIV?

O papel do nutricionista é muito importante, pois podemos elaborar planos alimentares personalizados para atender as necessidades específicas da pessoa e aborda a avaliação nutricional, a manutenção do peso e fortalecimento do sistema imunológico, com recomendações de alimentos ricos em antioxidantes e outros compostos bioativos e nutrientes que ajudem nesse processo. Além da educação alimentar e nutricional a fim de informar sobre os cuidados das práticas seguras na manipulação de alimentos.

Lembrando que essa abordagem é sempre individualizada, considerando os estágios de infecção, os medicamentos utilizados e outros fatores individuais.

Uma das principais preocupações do nutricionista é elaborar uma dieta que vise aumentar a imunidade e suprir as deficiências da pessoa?

Sim, o fortalecimento do sistema imunológico, assim como a suplementação de nutrientes são muito importantes. Para isso, o plano alimentar deve contemplar alimentos ricos em nutrientes antioxidantes, como frutas, vegetais, legumes, grãos integrais e proteínas. Preservar o estado nutricional dentro do adequado também mantém o sistema imune competente.

Deficiências nutricionais de micronutrientes são comuns nesses casos, como falta de zinco, de selênio, vitamina B12 e vitamina D e deve-se suprir essas deficiências com alimentos fontes de cada um desses nutrientes. Uma dieta equilibrada e personalizada que atenda às necessidades individuais e que promova a saúde geral é essencial para ajudar no enfrentamento dos desafios específicos associados ao HIV e ao tratamento antirretroviral.

Há alimentos que devem ser evitados?

Devem ser evitados alimentos que podem estar contaminados com bactérias ou fungos, como alimentos crus, mal cozidos, frutos do mar crus, ovos crus, carne crua ou mal passada. Também alimentos ultraprocessados que são ricos em açúcares e gorduras saturadas, pois podem contribuir para inflamação. Substâncias como álcool e tabaco também devem ser evitadas, pois podem ter efeitos negativos no sistema imunológico.

Poderia comentar sobre a importância de um nutricionista fazer parte da equipe multiprofissional para cuidar das pessoas com Aids?

É muito importante, pois a gestão dos efeitos da Síndrome da Imunodeficiência Adquirida só pode ser eficiente se a equipe trabalhar em sintonia. Os efeitos colaterais das medicações, os efeitos da supressão do sistema imunológico, a perda de peso com risco grave de desnutrição e, com isso, o aparecimento de deficiências nutricionais pode agravar muito o quadro geral do paciente. Assim, o nutricionista consegue desenvolver um plano alimentar individualizado com base na troca de informações entre os profissionais da equipe multiprofissional, contribuindo para um cuidado abrangente e eficaz.

DIABETES: NUTRICIONISTAS EXERCEM PAPEL CENTRAL NO TRATAMENTO

DIABETES: NUTRICIONISTAS EXERCEM PAPEL CENTRAL NO TRATAMENTO

O nutricionista exerce uma função central nos cuidados e na prevenção da diabetes.  O dia 14 de novembro é marcado como o Dia Mundial do Diabetes e foi criado em 1991 pela Federação Internacional de Diabetes (IDF) junto à Organização Mundial de Saúde (OMS) para conscientizar o mundo sobre o reflexo do diabetes na saúde e mortalidade da população. Segundo o Instituto de Métricas e Avaliação de Saúde da Universidade de Washington estima-se que cerca de 529 milhões de pessoas em todo o mundo sofrem da doença.

Para viver bem com diabetes é necessário manter um bom controle glicêmico, pois isso diminui o risco de complicações. Somado a isso, as escolhas alimentares afetam diretamente o equilíbrio de energia, peso corporal, pressão arterial e níveis de gordura e açúcar no sangue. Atuar nestes fatores é uma maneira de evitar ou retardar o desenvolvimento de complicações associadas à doença.

“Por isso, a abordagem nutricional individualizada requer mudanças no estilo de vida. Esse cenário justifica a recomendação do nutricionista como profissional habilitado para implementar intervenções e educação nutricional para indivíduos com diabetes. A orientação nutricional tem como alicerce uma alimentação variada e equilibrada. Além disso, o foco é atender às necessidades nutricionais em todas as fases da vida”, ressalta Deise Regina Baptista, nutricionista e colaboradora do Conselho Federal de Nutricionistas.

A conduta nutricional direcionada deve ser definida com base em avaliação e diagnóstico nutricional de cada paciente para, com isso, ser planejada uma programação das intervenções nutricionais. “Acompanhamento e avaliações contínuas apoiam mudanças de estilo de vida em longo prazo, bem como possibilitam analisar resultados e modificar intervenções, quando necessário”, saliente Deise.

A prescrição de dietas, indicando os alimentos a serem consumidos por refeição e suas quantidades, é uma atribuição exclusiva dos nutricionistas e é planejada a partir do contexto e da rotina de cada paciente.  “Hábitos como manter a dieta equilibrada, vida ativa e controle constante da glicemia podem garantir bem-estar aos pacientes e prevenção de complicações agudas ou crônicas da diabetes”, afirma Deise.

A doença

Diabetes é uma doença crônica na qual o corpo não produz insulina ou não consegue empregar adequadamente a insulina – hormônio produzido pelo pâncreas responsável pela manutenção do metabolismo da glicose. Sua falta provoca déficit na metabolização da glicose e, consequentemente, diabetes. Caracteriza-se por altas taxas de açúcar no sangue (hiperglicemia) de forma permanente, que podem causar diversas complicações de saúde, como doenças que afetam o sistema cardiovascular, os rins e os olhos.

A Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD) recomenda a classificação baseada na etiopatogenia do diabetes, que compreende o diabetes tipo 1 (DM1), o diabetes tipo 2 (DM2), o diabetes gestacional (DMG). Estima-se, segundo a Federação Internacional de Diabetes, que 90% dos casos de diabetes no mundo são do tipo 2, que resulta da resistência à insulina e de deficiência na sua secreção. “Está frequentemente associado à obesidade e ao envelhecimento. O consumo em excesso de calorias, associado ao sedentarismo, é a combinação perfeita para o ganho de peso. O sobrepeso, por sua vez, é um dos principais fatores de risco do diabetes tipo 2”, explica Deise.

Já a do tipo 1 é causada pela destruição das células produtoras de insulina, em decorrência de defeito do sistema imunológico em que os anticorpos atacam as células que produzem a insulina. “Já a diabetes gestacional é uma condição metabólica exclusiva da gestação e que se deve ao aumento da resistência insulínica causada pelos hormônios gestacionais, gerando hiperglicemia”, explica a nutricionista.

Deise afirma ainda que se deve tomar cuidados aos casos   de pré-diabetes. “Pré-diabetes não é propriamente um diagnóstico, mas um estado de risco aumentado para o aparecimento de diabetes tipo 2. Pessoas com níveis elevados de glicose no sangue, obesidade e forte história familiar de diabetes, podem ser consideradas de risco”, salienta.

Nutricionistas são fundamentais para identificar seletividade alimentar de pacientes autistas

Nutricionistas são fundamentais para identificar seletividade alimentar de pacientes autistas

Os nutricionistas são fundamentais para identificar o grau de seletividade alimentar do indivíduo com Transtorno do Espectro Autista (TEA), além de orientar para uma dieta adequada e auxiliar a introduzir novos alimentos. Dentre as características de quem tem TEA, está a repetição de padrões e de ter interesses muito específicos. Esse comportamento pode estar presente durante as refeições, gerando o que se chama de “seletividade alimentar”.

Essa realidade pode levar a pessoa autista apresentar sérias deficiências nutricionais. “Em virtude dessa seletividade alimentar, há a necessidade de um acompanhamento contínuo com o nutricionista e outros terapeutas porque, às vezes, a pessoa também pode ter problemas de mastigação e de deglutição”, afirma a presidente do Conselho Regional de Nutricionistas do Paraná (CRN-8), Cilene da Silva Gomes Ribeiro. Além disso, quem possui TEA pode apresentar alergias a alguns alimentos o que pode intensificar seletividade alimentar.

“Por isso, é importante um acompanhamento nutricional, tanto para fazer orientações para as famílias quanto para identificar qual é o tipo e grau dessa seletividade alimentar. A partir disso, é possível fazer uma dieta mais equilibrada, além de uma integração progressiva de outros alimentos”, ressalta a presidente.

O tratamento do autismo requer uma equipe multidisciplinar e o nutricionista é fundamental no acompanhamento. Em parceria com outros profissionais, como fonoaudiólogo, terapeutas ocupacionais, psicólogos, médicos, o nutricionista é essencial para que a pessoa diagnosticada com TEA possa desenvolver de melhor maneira os seus potenciais. “O nutricionista é um profissional essencial desde a infância, pois ele é apto a realizar o acompanhamento clínico e a terapia alimentar dessas pessoas”, ressalta Cilene.

Foto de Freepik

Outra alerta trata-se dos alimentos que o indivíduo diagnosticado com TEA tende a consumir e que podem estar associados a essa dificuldade alimentar. “Algumas pessoas inseridas no espectro autista podem apresentar dificuldades sensoriais que impactam diretamente na alimentação, como a preferência por dietas monocromáticas e com texturas similares. O nutricionista pode ajudar o indivíduo diagnosticado  com o espectro autista a ter uma alimentação de maior qualidade mesmo com as suas seletividades e evitar alimentos ultraprocessados que são causadores de diversas doenças, como obesidade, hipertensão e diabetes”, salienta a presidente do CRN-8.

Código Estadual

Está sendo elaborado o Código Estadual do Transtorno do Espectro Autista que está aberto para receber sugestões por meio do cepteaparana@gmail.com ou por meio do link https://www.assembleia.pr.leg.br/legislacao/codigos.

Como fazer denúncias para o CRN-8

Como fazer denúncias para o CRN-8

O Conselho Regional de Nutricionistas do Paraná (CRN-8) recebe e apura denúncias contra Nutricionistas e Técnicos em Nutrição e Dietética que descumpram o Código de Ética Profissional. A apuração segue as determinações da Resolução 705/2021 do Conselho Federal de Nutricionistas, que instituiu o Código de Processamento Ético-Disciplinar das categorias. Caso a apuração resulte na detecção de conduta com indícios de infração disciplinar, são tomadas providências para abertura de Processo Ético-disciplinar.

Além dos Técnicos em Nutrição e Dietética e Nutricionistas inscritos no Conselho, a entidade recebe e analisa denúncias contra leigos que fazem o exercício ilegal da profissão, ou seja, que não possuem graduação na área.

No CRN-8, as denúncias de exercício ilegal da profissão de nutricionista são previamente apuradas. Em caso de indícios de exercício ilegal da profissão, as denúncias passam a ser parte integrante do processo que poderá ser encaminhado à instituição de ensino superior (caso denunciado seja um estudante de Nutrição), ao Ministério Público (a quem compete apreciá-las) ou aos demais conselhos de classe profissional nos casos em que o infrator pertença a outra categoria profissional.

A legislação

Segundo a Lei Federal n 8.234, a “designação e o exercício da profissão de Nutricionista, profissional de Saúde, em qualquer de suas áreas, são privativos dos portadores de diploma expedido por escolas de graduação em nutrição, oficiais ou reconhecidas, devidamente registrado no órgão competente do Ministério da Educação e regularmente inscrito no Conselho Regional de Nutricionistas da respectiva área de atuação profissional”.

A Resolução 596 do Conselho Federal de Nutricionistas, de 2017, considera como nutricionista quem é portador de diploma expedido por escolas de graduação em Nutrição, oficiais ou reconhecidas, devidamente registrado no órgão competente do Ministério da Educação e regularmente inscrito no CRN da respectiva área de atuação profissional.

PASSO A PASSO DE COMO FAZER UMA DENÚNCIA

1o Passo: Acesse o site do CRN-8

2o Passo: No site, haverá uma janela destinada para realizar sua denúncia

3o Passo: Clique na janela amarela em “Fazer Uma Denúncia!”

4o Passo: Ao fazer isso, aparecerá 3 janelas, essas janelas são destinadas aos 3 diferentes tipos de denúncias são elas: Contra Leigo, Contra Pessoa Física e Contra Pessoa Jurídica.

5o Passo: Selecione o tipo de denúncia que deseja realizar, abrirá uma nova aba com os detalhes.

6o Passo: Nesta aba, abaixo dos detalhes aparecerá uma janela em vermelho escrito Fazer uma denúncia contra o tipo que deseja.

7o Passo: Ao clicar nesta janela, uma nova aba com um formulário de denúncia será aberto, preencha este formulário

8o Passo: Escolha o tipo de denúncia, ela pode ser feita com a identificação do denunciante ou com sigilo na identificação

9o Passo: Complete os dados de identificação do denunciante caso sua denúncia seja com identificação

10o Passo: Complete os dados de identificação do denunciado

11o Passo: Descreva detalhadamente os fatos da denúncia

12o Passo: Anexe provas ou indícios para que sua denúncia seja apurada, elas deverão ser apuradas em um único arquivo zip com limite de 15MB.

13o Passo: Clique em enviar

Nutricionista é indispensável para o ambiente escolar

Nutricionista é indispensável para o ambiente escolar

O nutricionista é um profissional indispensável em diversas áreas e o ambiente escolar é uma delas. Um dos principais papéis do profissional é proporcionar educação alimentar e nutricional para garantir o desenvolvimento saudável das crianças e dos adolescentes. Além disso, ao atuar nas escolas, o nutricionista possibilita uma série de benefícios para todos os atores envolvidos – dos estudantes aos professores, para toda a equipe pedagógica e para as famílias.

“A escola é uma instituição responsável pela formação de pessoas que estão em processo de desenvolvimento. O nutricionista assume um papel ativo como estimulador de hábitos alimentares saudáveis e influenciador na formação do indivíduo”, afirma a presidente do Conselho Regional de Nutricionistas da 8a Região (CRN-8), Cilene da Silva Gomes Ribeiro.

Ela explica que um dos primeiros atos do nutricionista nas escolas é o de estruturar um cardápio para os estudantes. O cardápio escolar desenvolvido pelo nutricionista visa garantir uma alimentação saudável e adequada, que assegure o atendimento das necessidades nutricionais dos alunos durante o período letivo e atue como um elemento pedagógico e também na prevenção de doenças relacionadas à alimentação, como hipertensão, diabetes e obesidade.

“O nutricionista na escola é responsável pela elaboração de um cardápio dentro de todas as premissas voltadas a cada faixa etária que está envolvida nesse ambiente escolar, garantindo assim que esse estudante tenha condições nutricionais adequadas para um bom aprendizado, crescimento e para a não ocorrência de doenças”, explica Cilene.

A atuação do nutricionista nas escolas não se limita apenas na elaboração de cardápios. O profissional, também é responsável por auxiliar e orientar os alunos a consumirem o alimento de uma maneira mais sustentável e equilibrada. “O nutricionista não atua apenas com o cardápio escolar, garantindo macro e micronutrientes para o bom desenvolvimento das pessoas, mas esse profissional também consegue inserir nestes estudantes um conhecimento para um consumo mais adequado, sustentável e equilibrado”, afirma.

A presidente também explica que outra responsabilidade do nutricionista é garantir aos alunos toda a qualidade dos alimentos ofertados pelas escolas. “O nutricionista no ambiente escolar é responsável por toda a condição e qualidade higiênico-sanitária do que é produzido. Ele também é responsável por assegurar toda a qualidade sensorial dos alimentos que os estudantes e toda a comunidade escolar consumirão”, ressalta a presidente do Conselho.

CRN-8 discute sobre inteligência artificial em evento

CRN-8 discute sobre inteligência artificial em evento

O Conselho Regional de Nutricionistas do Paraná (CRN-8) debateu, durante o XIV Encontro dos Coordenadores dos Cursos Técnicos e Superiores em Nutrição do Paraná, o uso da inteligência artificial. O evento, realizado na última sexta-feira (25/08) sob a organização da Comissão de Formação Profissional do CRN-8, objetivou provocar reflexões sobre a utilização das ferramentas de inteligência artificial, verificando os benefícios e os limites da tecnologia no processo de ensino e aprendizagem.

         Com o tema “A comunicação na formação do nutricionista: utilizando a inteligência artificial com ética”, o Encontro trouxe como palestrante Armando Kolbe Júnior, doutorando em Engenharia do Conhecimento e mestre em Tecnologias. Atualmente, ele é professor do ensino superior do Centro Universitário Internacional Uninter, atuando na área presencial, semipresencial e ensino à distância (EAD).

         Ao longo da palestra, Kolbe enfatizou a necessidade do uso equilibrado e responsável das ferramentas de inteligência artificial. “A inteligência artificial é apenas uma ferramenta. Ela deve agregar ao nosso trabalho”, pontuou.

         A comunicação na formação do nutricionista, utilizando a inteligência artificial (IA) com ética na docência pode, segundo ele, ajudar os educadores a adaptarem seus métodos de ensino para atender às necessidades individuais dos estudantes. “Através de análises de dados a IA pode identificar padrões e auxiliar nas tomadas de decisões, fornecendo feedbacks personalizados sobre determinados assuntos. Mas não podemos ter certeza de que as respostas obtidas serão as corretas. Por outro lado, elas serão as mais assertivas”, afirmou Kolbe.

         Ele ainda destacou outros usos benéficos da IA para o ensino, como identificar plágios dos estudantes. Além disso, a inteligência artificial precisa respeitar a privacidade tanto dos alunos quanto dos professores. “A tecnologia não vem para substituir o professor. Vem para somar. A nossa responsabilidade é aprender a fazer o bom uso dela e ensinar os alunos a utilizarem a ferramenta de forma correta e que agregue no aprendizado”, salientou.

         Após a palestra, os coordenadores dos cursos se reuniram em grupos para debater o tema e propor estratégias para a IA ser utilizada de uma forma ética e eficaz. “O evento foi muito produtivo para podermos desmitificarmos o tema e aprendermos a como usar a tecnologia a nosso favor e a favor dos estudantes”, comenta a coordenadora da Comissão de Formação Profissional, Tatiana Marin.

CRN-8 luta para que pacientes com câncer recebam acompanhamento nutricional

CRN-8 luta para que pacientes com câncer recebam acompanhamento nutricional

O Conselho Regional de Nutricionistas do Paraná (CRN-8) defende a urgência da implementação de programas de atendimento nutricional à população em tratamento oncológico na saúde pública do estado. Após reuniões entre a diretoria do CRN-8 e o deputado estadual Paulo Gomes e sua equipe técnica, foi enviado um requerimento à Secretaria Estadual de Saúde e ao governador do Paraná solicitando medidas para que pacientes oncológicos tenham direito ao atendimento nutricional domiciliar e que seja ampliada a oferta de suplementação nutricional a essas pessoas.

A presidente do Conselho, Cilene Gomes Ribeiro, ressalta a importância desta medida. “Durante o próprio tratamento oncológico, o paciente é submetido a diversas condições que podem trazer vulnerabilidades. A quimioterapia, por exemplo, pode causar perda de apetite, dificuldade de ingerir alimentos, vômitos, náuseas, diarreia. Tudo isso intensifica quadros de desnutrição destes pacientes”, afirma.

Ela destaca ainda que o estado nutricional do paciente influencia diretamente no tratamento. “Com um acompanhamento nutricional adequado, o paciente pode responder de melhor maneira ao tratamento da doença, melhorando sua saúde e propiciando impactos positivos na qualidade de vida desse indivíduo”, salienta.

Cilene reforça que é o nutricionista o profissional responsável para elaborar prescrições dietoterápicas individualizadas e para indicar a necessidade de suplementação alimentar. “Por isso, se faz necessária a obrigatoriedade da presença do nutricionista no acompanhamento de pacientes oncológicos”, ressalta.

Atuação do nutricionista na Saúde Pública

A importância da atuação do nutricionista na saúde pública vai além do auxílio no tratamento oncológico. O nutricionista e o papel que ele exerce são peças fundamentais para a manutenção de um sistema básico de saúde pública. “O nutricionista se dedica em elevar a saúde nutricional, além de ajudar a promover o bem-estar e o direito humano à alimentação adequada da população”, aponta a presidente do Conselho.

A inserção do nutricionista no dia a dia da saúde pública ajuda a respeitar, proteger, promover e prover os direitos humanos dedicados à saúde e à alimentação. “A partir do momento em que o indivíduo tem acesso a um profissional capaz de adequar sua dieta às suas necessidades específicas, a qualidade de vida melhora inevitavelmente. O nutricionista, por meio de atendimento especializado, consegue aprimorar a saúde dessa população, tanto na prevenção quanto no tratamento e acompanhamento de patologias”, explica Cilene.

Além disso, uma má alimentação pode causar diversas doenças, como obesidade, hipertensão e diabetes. “A atuação do nutricionista na saúde pública é fundamental para que possamos criar programas tanto individuais quanto coletivos para a prevenção dessas doenças por meio de uma boa educação alimentar e nutricional a partir do mapeamento de todos os riscos e da implementação de ações preventivas”, assinala a presidente do CRN-8.