Dia Mundial do Combate ao Diabetes: Acesso aos cuidados: se não agora, quando?

14 de novembro – Dia Mundial do Combate ao Diabetes: Acesso aos cuidados: se não agora, quando?

O Dia Mundial do Diabetes, celebrado em 14 de novembro, foi uma data escolhida pela Federação Internacional de Diabetes (IDF) e pela Organização Mundial de Saúde (OMS) para reforçar a conscientização a respeito da doença. O propósito é evidenciar a importância da prevenção e oferecer alternativas para as dificuldades enfrentadas pelos pacientes diabéticos.

Em cada ano, um tema é definido para a campanha e, em 2021, o escolhido é “Acesso aos cuidados: se não agora, quando?”, que remete à importância de que pacientes com diabetes tenham acesso garantido à insulina, medicação oral, educação, suporte psicológico, a nutrição, atividade física e a automonitorização.

Brasil é o 5º país em incidência de diabetes no mundo, com 16,8 milhões de doentes adultos (20 a 79 anos). É superado apenas pela China, Índia, Estados Unidos e Paquistão. A estimativa da incidência da doença em 2030, em nosso país, chega a 21,5 milhões e, enquanto um em cada dez adultos vive com diabetes, metade não sabe do diagnóstico.

Você conhece seus direitos?

Conforme estabelecido na Lei Federal 11.347/2016, em seu artigo primeiro, “Os portadores de Diabetes receberão, gratuitamente, do Sistema Único de Saúde – SUS, os medicamentos necessários para o tratamento de sua condição e os materiais necessários à sua aplicação e à monitoração da glicemia capilar”. Porém, o artigo segundo da mesma Lei, salienta que o Ministério da Saúde (MS) selecionará uma lista de medicamentos e materiais para fornecimento gratuito, que está definida na Portaria 2583/2007 do MS.

Alguns municípios e estados, por iniciativa própria, ampliam essa lista, fornecendo ao paciente itens que não constam na mencionada Portaria. Isso acontece por meio de normas regionais e programas estaduais de dispensação de medicamentos.

Terapia Nutricional também é um direito

O Conselho Regional de Nutricionistas da 8ª Região conversou com a nutricionista Deise Regina Baptista, que tem vasta experiência no atendimento ao paciente diabético. Segundo ela, a terapia nutricional é uma das partes mais desafiadoras do tratamento e das estratégias de mudança do estilo de vida. “A relevância da nutrição no tratamento do diabetes mellitus (DM) tem sido enfatizada, bem como o seu papel desafiador na prevenção, no gerenciamento da doença e na prevenção do desenvolvimento das complicações decorrentes”.

Deise afirma que pessoas com diabetes devem exigir consultas regulares com nutricionista especializado em DM. Ela recomenda que, ao perceber os primeiros sintomas, deve-se procurar o posto de saúde e requerer acompanhamento nutricional especializado, a fim de garantir o Direito a Alimentação Adequada e Saudável no tratamento. “De forma individualizada, esse profissional definirá o plano alimentar e as escolhas alimentares para melhor controle glicêmico, pressórico, de lipídeos e peso, reduzindo o risco de complicações macro e microvasculares”.

Compartilhe